quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

AS CASAS, 11


A invenção das clarabóias

No princípio, aprenderam a ter medo e protegeram-se.
Construíram casas de pedra e lama, pequenos refúgios
onde não tardaram a sentir-se cada vez mais sós.

Sonharam que, um dia, um feixe de luz haveria
de afagá-los. E, fascinados pelo céu, desenharam
óculos pelos telhados.

Tiveram, desde logo, a companhia das estrelas.
Hoje os deuses ainda passam os olhos pelas suas casas
todas as noites, antes de adormecerem.

(in A Casa e o Cheiro dos Livros, de Maria do Rosário Pedreira, Quetzal. Na imagem: uma clarabóia no Porto.)

1 comentário:

sofia wahnon disse...

Que lindo! Eu sempre adorei claraboias e estive próxima de comprar uma casa com uma belíssima claraboia. Infelizmente, acabaram por me dissuadir, era um "favor" que me faziam. Nunca, porém, esqueci a casa da claraboia onde não cheguei portanto a viver. Foi há anos e pareceu-me agora que tinha sido ontem.
Obrigada por estas casas, é um deleite lê-las.