terça-feira, 4 de novembro de 2014

O NOSSO HARRY


Num instante, passaram-se 15 anos. Foi em Outubro de 1999 que a Editorial Presença publicou a primeira edição de Harry Potter e a Pedra Filosofal, com tradução de Isabel Fraga. Desde então, a saga dos aprendizes de feiticeiros de Hogwarts vendeu mais de 450 milhões de livros em dezenas de línguas, tornando Joanne Kathleen Rowling, vulgo J.K. Rowling, numa personificação do arquétipo da Gata Borralheira: de pobre professora de inglês, em Portugal, triste e mal casada, passou a ser uma das mulheres mais ricas de indústria literária, não sem antes ter levado várias «negas» das editoras. Quanto a Daniel Radcliff, o actor que encarnou a personagem de Harry Potter, é ver como também está crescido. Por exemplo, aqui, na série de televisão A Young Doctor's Notebook, decalcada da obra homónima de Mikail Bulgakov. No papel de um jovem médico desterrado na província e viciado em morfina, para aplacar as dores do ofício e não só, Radcliff não é nenhum Richard Burton (e ter John Hamm a contracenar com ele não foi um casting inocente), mas esforça-se por mostrar que ser um bom actor não é algo que se consiga por magia.

1 comentário:

Beatriz Maia disse...

bons tempos em que esperávamos por cada livro! belo texto!

www.sramaia.blogspot.com