quinta-feira, 12 de março de 2009

ORTOPEDIA


Eu não sei falar sobre poesia, só sei calar-me sobre a poesia. Também me lembro dos sapatos ortopédicos.

Recreio

Caruma, raízes escuras, manchas
de luz entre as árvores. Enquanto
ali estávamos o colégio era um
vulto branco a arder ao sol,
lugar de gramática e geografia,
salas onde a voz do ditado
ecoava e a que nem sempre
queríamos regressar. Às vezes
a tarde imobilizava-se quando
partíamos pinhões com pedras
aguçadas e sentíamos nos dedos
a textura da resina. Jogávamos
à bola com pinhas, usávamos
cuspo para limpar o pó dos sapatos
ortopédicos, esfolávamos joelhos
– rituais infantis como tantos outros,
condenados à nostalgia.

1 comentário:

jr14grau disse...

Muito bom e legal seu blog visite o meu para sermos parceiros www.baixedetudogratis.com