quinta-feira, 4 de junho de 2009

ESCREVER PARA CRIANÇAS É CANJA


Passar pela Biblioteca Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém, permitiu revisitar “Magic Pencil”, uma exposição itinerante de livros escritos e ilustrados por autores britânicos que esteve há algum tempo no CCB, em Lisboa. Um dos meus preferidos é Literary Life, de Posy Simmons, uma banda desenhada que disseca com refinado humor os mitos, os tiques e as falácias da comunidade literária e editorial. A página dedicada aos Children’s Picture Books é simplesmente hilariante. Entre outras coisas, ficamos a saber que:

- Uma história para crianças demora cinco minutos a escrever, não muito mais. Os picture books podem ser feitos durante a hora de almoço. Toda a gente pode escrevê-los.

- Nem toda a gente consegue ilustrar, mas toda a gente conhece alguém que o faz. Ilustrar livros para crianças não é exactamente trabalho, apenas umas horas aconchegantes em casa, a mexer em tintas e a ouvir a Rádio 4 (“Deve ser tremendamente divertido!”).

- Os picture books são muitas vezes escritos e ilustrados por mulheres de cabelo desmazelado que vivem em casas de campo na região de Suffolk; ou então por homens de barba aparada que usam sweaters de lã das Ilhas Aran e guardam em si uma vibrante criança interior. Ou ainda por abjectos corruptores da inocência infantil, que fazem livros sobre arrotos e outros sintomas escatológicos.

- 98 por cento das pessoas que trabalham na área editorial dos livros para crianças chamam-se Emma e usam calças de lycra pretas com mistura de lã. Em algum momento, 85,5 por cento destas pessoas estão a editar um livro sobre um gato.

- Todas as reuniões editoriais e festas com autores e ilustradores são acompanhadas por ursos e coelhos.

- Os autores de livros para crianças são tidos na mais elevada consideração. Alguns dos comentários mais ouvidos: “Oh, que engraçado! E alguma vez se dedica à escrita a sério?» Ou então: «E quanto tempo vai ficar no infantil? Suponho que queira passar para a literatura adulta.»

Oh, dear. Não é verdadeiramente… charming?

1 comentário:

livro infantil disse...

dá vontade de rir mas é muito triste porque portugal, muitos destes clichés devem ser verdade, tendo em conta o panorama editorial português