quinta-feira, 2 de outubro de 2014

SOMOS TODOS FILHOS DAS PALAVRAS


Foi talvez a presença mais comovente da 13ª edição das Palavras Andarilhas, em Beja, e que agora podemos rever na entrevista à Blimunda conduzida por Andreia Brites e Sérgio Machado Letria. «Somos todos filhos das palavras», diz Yolanda Reyes, para quem tão importante como ler os livros é ler as crianças. Escritora, educadora, cronista no diário colombiano El Tiempo, criou o projecto pedagógico Espantapájaros para dar corpo à noção, cientificamente comprovada, de que começamos a apropriar-nos da linguagem desde o quinto mês de gestação, quando as palavras e todos os sons ressoam amplificados na caixa líquida onde vivemos. Palavras ditas, palavras não ditas, silêncios, sonoridades, embalos, cadências, ritmo, melodia, ecos... Simbolicamente, as mães são música para o ouvido emocional da criança: «Quando me nomeias, eu existo. Quando me contas, eu existo.» Por isso os bebés choram quando a mãe sai do quarto. «Não te vás embora», diriam, se soubessem falar. Toda a nossa vida, afirma Yolanda, é passada a gerir, melhor ou pior, a ausência daqueles que amamos e a construir, sozinhos, o nosso próprio mundo. Até que chega a nossa vez de o comunicar.

(na fotografia: Yolanda Reyes, à esquerda, e Cristina Taquelim, a «alma» das Palavras Andarilhas)

1 comentário:

Beatriz Maia disse...

muito bom post, adorei!

www.sramaia.blogspot.com