quarta-feira, 4 de março de 2009

UMA HISTÓRIA CADA VEZ MAIS BREVE


A pensar nos comentadores profissionais do Público online que acham que a caça é um desporto saudável e necessário ao equilíbrio da Natureza, sugiro, como TPC, a leitura de Bill Bryson em versão para crianças (para facilitar a compreensão). Podem começar por aqui, páginas 156 e 157:

“A América do Norte e do Sul perderam em conjunto cerca de três quartos dos seus grandes animais desde que o Homem, o Caçador chegou munido das suas lanças com pontas de pedra. A Europa e a Ásia, onde os animais tinham tido mais tempo para se acautelarem com os humanos, perderam entre um terço a metade da sua grande fauna. A Austrália perdeu 95 por cento.”

Ou então por aqui:

“Isto significa que os seres humanos são nocivos para os outros seres vivos? A triste verdade é que podemos bem sê-lo. A taxa de extinção natural ao longo da história biológica da Terra tem sido, em média, de uma espécie por cada quatro anos. Segundo alguns peritos, a extinção provocada pelo Homem pode estar agora a alcançar 120 000 vezes esse valor.”

3 comentários:

Pan disse...

E esta "sede" incontrolável em caçar, torna a Humanidade em caçadora de si mesma. Veja-se Darfur, Ruanda, Cambodja, "Holocausto", etc, etc.

Francisco

sweety disse...

Como é que caçar pode fazer bem às espécies!?
Há largos anos fiz um artigo para a Exame sobre este tema, mas do ponto de vista dos caçadores e de como era bom haver coutadas e outeiros, montadas, etc.! Foi das coisas mais difíceis estar ali a fazer de advogado do diabo! E ainda me presentearam pela primeira e única vez com um prato requintado de carne de veado! Não entendo! Mais uma! Achas que percebem alguma coisa mesmo com este livro?!
Beijos

Margarida Pereira disse...

Tão triste, não é?
Tão triste...
O que sobra devia ser cuidadosamente preservado. Devia ser amorosamente respeitado.
O ser humano não aprende...
Não aprende nada...